Turma de novembro de 2007
Turma de setembro de 2007
Turma de junho de 2007
Turma de maio de 2007
Turma de janeiro de 2007
Turma de dezembro de 2006
Turma de novembro de 2006
Turma de outubro de 2006
Turma de agosto de 2006
 
 

Jornal do Brasil
Caderno Saúde
11 de junho de 2004

Do resultado positivo do exame da gravidez até o momento de amamentar o bebê recém-nascido, muitas dúvidas passam pela cabeça dos pais, marinheiros de primeira viagem ou não. Para lidar com a ansiedade de quem se vê diante de um dos momentos mais importantes da vida, o anestesista e especialista em ginástica médica para gestantes, Sergio Amaral Miranda, escreveu o livro "Grávida eu? O que preciso saber agora?" com dicas simples e preciosas para futuros pais.
-- Um casal do curso que ministro para pais e gestantes na Casa de Saúde São José me sugeriu que escrevesse o livro. Tentei fugir do que existe de sobra no mercado, que são exemplares muito técnicos. No meu livro conto a história de um casal , de forma romanceada, desde o namoro até o primeiro ano de vida do bebê - explica Miranda.
Uma das principais dificuldades enfrentadas pelas mães é o excesso de conselhos e dicas que cada parente ou amigo tem para oferecer. Segundo o autor, existem muitas lendas sobre a gravidez que devem ser desvendadas.
-- A informação correta oferece aos casais ferramentas para lidar com a maioria das dificuldades - orienta Miranda.
Cada fase é abordada no livro por meio da história de um casal que enfrenta as situações mais freqüentes durante a gravidez. No primeiro trimestre de gestação, segundo o médico, a futura mãe costuma passar por um momento delicado, pois o corpo feminino começa a mudar antes que a mulher se sinta emocionalmente grávida.
-- Existe uma defasagem de tempo entre o processo fisiológico e o psicológico. È nos primeiros tres meses que a mulher se questiona se é o momento certo para engravidar. Por isso, é comum que alterne episódios de alegria e melancolia.
Para o médico, o segundo trimestre é o mais harmônico da gestação. A gravidez, que parecia pouco evidente, se manifesta de forma incontestável.
-- O movimento fetal é o recurso que a natureza oferece para fazer com que a mãe se sinta emocionalmente grávida-observa Miranda. Neste período, o médico recomenda que os exercícios físicos sejam retomados. Todas as atividades, no entanto, devem ser orientadas por um médico.
-- No livro explico que normalmente as gestantes praticam exercícios no começo da gravidez e depois, quando a barriga fica muito grande, interrompem. Esse procedimento é errado porque são nos primeiros meses que ocorrem a maioria dos sangramentos. As atividades físicas devem ser suspensas no primeiro trimestre e depois retomadas até o último dia da gestação.
Outro mito a que Miranda se refere no livro é o da prática da hidroginástica. Segundo ele, este tipo de atividade é muito procurado pelo conforto que a mulher sente, fazendo exercícios dentro d´água. - A hidroginástica só serve se for complementar a outro tipo de ginástica. Na gravidez, a musculatura abdominal tem que ser trabalhada.Normalmente os exercícios abdominais são os primeiros a serem abandonados. O certo é utilizarmos uma técnica que não (a matéria está errada) aumente a pressão dentro da cavidade abdominal - esclarece o médico.
A partir do sétimo mês de gravidez, Miranda chama a tenção para a dificuldade de muitos casais para enfrentarem o problema da sexualidade. -A mulher começa a se achar feia por causa do aumento do abdômen. Além disso, os seios deixam de ser eróticos e se tornam maternais. Alguns casais têm medo de machucar o bebê durante o ato sexual., o que não há risco nenhum de acontecer - ressalta , reconhecendo que dedica pouco espaço no livro a essa questão. Garante, no entanto, que vai escrever um exemplar só sobre o tema.
Os capítulos finais abordam o momento mais esperado e temido pelas mães: o parto. Miranda exalta a importância do casal se informar sobre as técnicas para que, junto ao obstetra, escolha a forma mais adequada para a futura mãe dar a luz.
- A informação pode ajudar a diminuir o índice de 44% de cesarianas que temos no país. Acredito que o medo da dor leve a taxa tão alta. Mas o que realmente acontece é que as mães trocam a dor antes pela dor do pós-parto.
Depois do parto, a amamentação, segundo o médico, merece alguns cuidados. E´comum que as mães desistam de amamentar por causa das dificuldades dos primeiros dias - alerta Miranda.
- Quando o neném suga, é normal que a mãe sinta alguma aflição. Quando a dor aumenta a mãe deve puxar o bebê para junto do seu peito e não afasta-lo. O importante é que ela saiba que é um aprendizado mútuo do neném e dela.

Luísa Gockel
Especial para o JB

 

VERDADES ULTRAPASSADAS

Uma séria de mitos e superstições cerca as grávidas, mas só serve para alimentar preconceito e a desinformação. Abaixo, algumas crendices retiradas do livro Grávida eu? O que preciso saber agora? De Sergio Amaral Miranda (Ed. Nova Era), que devem ser derrubadas de vez:
• A mulher grávida não deve comer raspa de panela ou nada que seja grudento para evitar dificuldades no trabalho de parto;
• Para a criança não ter dor de barriga, não se deve torcer fraldas;
• Grávidas não devem carregar chaves ou medalhas no colco,pois a criança nascerá com marcas na pele;
• Ao se pedir a futura mãe que mostre a mão, se ela o fizer com a palma para baixo, será menino. Se a palma estiver para cima, menina;
• A mulher que estiver amamentando deve comer bastante conjica para aumentar o leite;
• Tanto o berço quanto o carrinho do bebê não devem ser comprados antes do nascimento;
• Mulher que deu a luz não deve comer carne de animal macho;
• Para proteger o recém-nascido, deve-se colocar uma faca na soleira da porta; assim nenhum espírito maligno entrará no quarto.

 
VERDADES ETERNAS

• Amamentar ajuda a mulher a diminuir seu peso mais rápido, já que ajuda na eliminação de água retida no organismo;
• Bebês que se alimentam apenas de leite materno nos primeiros meses de vida têm menos cólicas e diarréias;
• Às vezes, o bico do seio não fica saliente e pode prejudicar a sucção do bebê. Massagens regulares e usar um dedal entre o seio e o sutiã (como molde) dão bons resultados;
• Comer mais vezes, em menos quantidade, diminui a incidência de prisão de ventre e desconforto estomacal;
• Mesmo achando que não usará,a futura mãe deve comprar algumas fraldas de pano , elas terão mil e uma utilidades.

Informação para dar e vender

• Hoje as grávidas contam com uma extensa literatura exclusiva, uma grande oferta de cursos e atividades especiais e outro sem-número de artifícios - dos cremes às roupas - que as deixam lindas, mesmo com um enorme barrigão. " Do resultado positivo do exame de gravidez, até o momento de amamentar o bebê recém nascido, muitas dúvidas e ansiedades passam pela cabeça das mães", avalia o médico Sergio Amaral Miranda, autor de Grávida eu? O que preciso saber agora? (Ed. Nova Era). Segundo ele, o pior inimigo durante todo esse período é a enxurrada de conselhos que elas têm que ouvir de amigos , parentes e até de pessoas desconhecidas. " A solução é adquirir a informação certa, com quem tem gabarito para passa-la. A mãe não pode deixar que lendas e mitos da gravidez a dominem", ensina. E eles são muitos (veja quadro na página ao lado)."No topo do ranking estão a alimentação, o momento do parto e a atividade sexual", enumera.
Proporcional aos mitos e questionamentos estão as mudanças que uma gravidez traz. Didaticamente, essas mudanças emocionais são divididas em três trimestres. Nos primeiros meses, prevalece a dúvida. Serei uma boa mãe?Era o momento certo?Como será minha vida daqui para frente? Nos meses seguintes, o casal se vê confuso entre dois papéis: mulher e mãe, homem e pai. No último trimestre, prevalecem as expectativas do parto e pós-parto. Surgem as dúvidas sobre a auto estima da mulher. Recuperarei minha forma física?Serei atraente novamente?